Hippies lastimam seu apocalipse junkie (Gilbert Shelton, 1976): A cena é desoladora: no cruzamento da 2nd Avenue com a Praça St. Marks, em Nova York, seis personagens dispõem-se num movimento estatizado pelo formato de charge do quadro, cada um envolto em suas próprias preocupações, reiterando seu próprio monólogo. Na rua, uma enxurrada de lixo que, se prestarmos um mínimo de atenção, revelará um pouco dos hábitos desta louca sociedade no mês precedente: todo tipo de garrafa de bebidas alcoólicas legalizadas (gin, uísque, cerveja, todo tipo de vinho - até um "suave french wine" - , e até coisas como "toxic tickle" e "óleo de fígado"), um edição da revista East village other (publicação lendária pela qual passaram Crumb, Spain Rodriguez e o próprio Shelton), um sutiã, uma cueca e até mesmo um papel de "doce de gordura de porco". 


Diante deste cenário remetente a um grande apocalipse junkie, os seis personagens alternam-se em expressões de desolamento ou auto-resolução: um velho hippie barbudo reclama da seca: "sem erva em um mês! Acho que, afinal de contas, vou estudar economia na Notre Dame"! Dois pré-adolescentes com cara de mexicanos reclamam de ter nadado e morrido na praia: "Que hora para uma seca de maconha! Bem quando estávamos prestes a nos graduarmos para as "coisas mais pesadas"! Outro hippie considera partir para negócios com seguradoras, e uma peituda doidona pensa em se casar, ter filhos e criar sua família em Dallas (vale lembrar que o Texas é o estado mais conservador dos EUA, e que Shelton vem de lá, da fabulosa cidade de Austin). Por fim, um ex-pantera negra considera se juntar à "youth for christian america" e pensa em fazer campanha para George Wallace, um notório racista e político americano contrário aos direitos civis, candidato à presidência em 1968. 

Em quê consiste a genialidade de Gilbert Shelton? Este quadro único se chama "Scenes from the revolution: the legendary dope famine of 69", e foi publicado em 76 em sua clássica revista Freak Brothers. Eu o li em uma coletânea da Knockabout comics. Shelton sugere aqui, com dose mordaz de ironia, que durante uma looooonga seca de maconha na Nova York dos late 60's, todos os tipos contraculturais que se via nas ruas naquela época teriam de ser obrigados a se enquadrarem aos destinos medíocres do american dream: se formar em economia, criar uma família em Dallas, trabalhar no negócio das seguradoras.


A força-contra que esses hippies depositaram diante de ter que se juntar ao status quo foi tanta que estas decisões têm de ser tomadas no meio da mais absoluta desolação pós-apocalíptica, quando tudo que tinha para se fazer em termos de sexo, drogas e rock and roll estava esgotado, e todas as bebidas acabadas, e todo o sonho contracultural turbinado pelo consumo de drogas morto graças à eficiência da polícia, que aparece no fundo do quadro, com suspeição repressiva. Shelton sugere que, finda a distribuição de drogas e morto o sonho, o apocalipse vem na forma do entregar-se, do render-se ao proselitismo capitalista, última das últimas opções. 


Ao mesmo tempo, sugere que uma vida chapada é melhor que uma vida enquadrada e que, enquanto esse povo tiver maconha, ele não se preocupará em estudar economia ou se juntar à Juventude Cristã Pela América, e que, de alguma forma, isso é algo bom. Isso me lembrou aquela música (incrível) do Alice in Chains, Junkhead, em que o falecido (por overdose) Layne Staley canta, de maneira bem mais barra-pesada, um hino exaltando as vantagens de se ser um junkie num mundo em que nada faz sentido: You can't understand a user's mind / But try with your books and degrees / If you let yourself go and opened your mind / I'll bet you'd be doing like me.  


Os exageros de Shelton podem até parecer sombrios, irresponsáveis ou descabidos para uma grande quantidade de leitores menos "experienced", mas vamos admitir, sem reservas ou pudores, que o homem tem um senso de humor escarninho e verdadeiramente provocativo, além de um grande par de bolas dentro da cueca. (CIM)


0 comentários

Postar um comentário

 
Back to Top