por Ciro Inácio Marcondes  

É comum que se considere Spirit, publicação dos anos 40 e 50 de Will Eisner (especialmente a fase do pós-guerra) como um modelo de transvisualização do mapeamento visual e espacial e dos raccords propriamente cinematográficos para a linguagem dos quadrinhos. Não há como negar que Spirit, mais antigo e mais evidentemente vinculado a uma cultura pulp do que o gekigá Lobo Solitário, de Kojima e Koike, abre passagem para uma abordagem propriamente moderna nos quadrinhos. Porém, uma leitura cada vez mais progressiva da saga do ronin Itto Ogami e seu “filhote” Daigoro provocam uma impressão muito forte de espanto e paralisia; descoberta e incredulidade; regozijo e até mesmo horror diante de obra tão naturalmente requintada.

Lobo Solitário é uma longa série desenvolvida ao longo dos anos 70, e são muitos os fatores que a tornam objeto canônico indiscutível para a HQ mundial. Se Spirit investia em uma narrativa detalhista centrada na obliquidade da estilística noir, contrapondo planos tortos com hiper-closes e transformando os painéis das páginas em microlentes maleáveis de retardamento/aceleração do tempo e investigação do espaço, os roteiros de Koike, de maneira igualmente brilhante, partem para uma detalhadíssima segmentação do espaço em uma ordem não-narrativa, projetando-se para uma aclimatação de timing perfeito, traduzindo o tom de cada cena através do tamanho e investimento nos painéis. Isso nos deixa conscientes do sentimento do personagem, da movimentação dos ambientes, da temperatura em que estão situados, sem precisar o tempo, mas sem nos confundir, transformando o espaço da HQ em uma profusão de sentidos.

Esta abordagem, que se aproxima do cinema minimalista de Yasujiro Ozu, produz a indescritível sensação de conhecermos os sentimentos dos personagens sem que eles jamais tenham de verbalizar a respeito disso. Não é preciso dizer que este método sofisticado de representação tem implicações muito mais profundas do que a rasa técnica de simplesmente botar o personagem para dizer “eu te amo”, “me sinto mal”, “me sinto triste”, etc. Koike acaba produzindo, portanto, uma obra monumental de ação, mas de dimensão profundamente íntima. Duas histórias situadas no volume 7 lançado pela editora Panini são cabais para compreendermos este efeito simples e intenso de projeção/identificação.

Criança sem infância


Como Spirit, Lobo Solitário tem o (não pequeno) mérito de problematizar fortemente os personagens coadjuvantes, tornando seus dramas, inúmeras vezes, mais interessantes do que os dos protagonistas. A trama principal, como um leitmotiv que gosta de se ocultar e submergir sem que nos apercebamos, circunda uma história de vingança lentamente desenvolvida nos mais de 30 volumes da série. Entretanto, como na maioria das parábolas zen, é elaboração do caminho que produz a significação da obra. Itto Ogami em muitos momentos serve apenas como testemunho para o desenrolar dos mais diversos dramas humanos, e sua humanidade por vezes heróica pode ceder para a nobreza de outros que perecem antes/diante ou nas mãos dele. As histórias que voltam a perspectiva narrativa para o filho Daigoro potencializam em muito esta relação.

Neste volume 7 temos uma primeira história (“O caso do assassino”) em que Ogami está fora para uma missão e Daigoro, uma criança de 4 anos, está solto em uma pequena cidade que vive de extração madeireira. O aprendizado de Daigoro, conforme conferimos com admiração e espanto durante toda a série, é um lento caminho de resignado regime de autocontrole, uma ascese. O garoto precisa encontrar a maturidade no auge de sua incompreensão infantil, levado a decodificar um mundo hostil logo no alvorecer de sua vida. Em seu breve caminho, Daigoro testemunha massacres, aproxima-se da morte e chega a cometer assassinatos. Nesta história, presenciamos a criança num treinamento em perigosas toras de madeira flutuantes, contrastando com cenas de sua profunda solidão, expressada com poder sublime pelo lápis riscado e impressionista de Goseki Kojima. Daigoro fala muito pouco, e sua imagem solitária, sem amigos ou interlocutores, torna-se código na profunda relação do personagem com a própria condição, ao mesmo tempo intuitivamente sábia e naïve.

Tudo isso converte-se nas espantosas decisões morais da criança, que parece sempre nostálgica, porém ascética, quanto à sua condição de criança sem infância. Assim, sem temor, mas consciente de sua frágil existência, Daigoro testemunha o assassinato brutal de uma jovem nobre, revelando a verdade somente após intuitiva e segura ponderação. Esta relação, porém, intensifica-se na história “Código penal, artigo 79”, em que Daigoro, novamente só e aguardando o pai retornar de uma missão, acaba por acidente sendo acusado de furto. Neste caso, a ascese aproxima-se de uma forma animalesca e brutal, tipo de frieza aracnídea, derivada do contato com a absoluta rigidez disciplinar e moral no comportamento do pai. Presenciamos, em primeira instância, a tristeza profunda do menino para o qual o inofensivo universo da feira representa uma barreira intransponível. Kojima inteligentemente alterna letreiros, diálogos e as mais diversas disposições entre os quadros para trazer um Daigoro ao mesmo tempo disciplinado e melancólico. Porém, vítima da armação de uma simpática ladra, uma carteira roubada cai-lhe em mãos, e ele promete cumprir a missão. A partir daí, impressiona a resignação com que ele insiste em não denunciar a ladra e falhar em sua missão. “Era isso que a criança havia aprendido vendo seu pai trabalhar... mesmo sem saber diferenciar o bem do mal... Quando alguém lhe solicita um serviço, o verdadeiro matador cumpre sua missão até o fim...”.

Choca-nos observar repetidamente, exaustivamente, o semblante da criança ensimesmada, profundamente melancólica e resignada, negando-se insistentemente a delatar a ladra, mesmo após ela mesma declarar-se culpada. Vemos a criança ser humilhada e açoitada em praça pública pelas autoridades até que o espanto dos próprios algozes provoca a necessidade urgente de libertar o garoto e livrar-se daquele espírito antípoda e assustador justamente porque tão profundamente enraizado em suas solitárias convicções. Apenas entendemos esta ascese de Daigoro porque Kojima e Koike não poupam páginas em desdobrar a linguagem dos quadrinhos para nos revelar, quase sem diálogos, uma estranha essência humana que captamos pela ordem narrativa sensitiva das páginas de Lobo Solitário. Se Will Eisner usa a HQ como dínamo de múltiplas narrativas sobre a cidade, inaugurando um olhar complexo, a série japonesa fragmenta a perspectiva não tanto no sentido de aprimorar o ato de contar histórias, mas sim de olhar tanto e sob tantas medidas para um personagem, que ele será obrigado a olhar de volta para você. Assim, num passe mágica e encanto, o estado de contemplação da história se torna o nosso próprio,e os quadrinhos se tornam um tipo de mantra.

5 comentários

Esperar & Inesperar disse... @ 21 de abril de 2011 19:35

Eu tinha uma revista do Lobo Solitário. Uma do começo da aventura, quando ele decide cruzar um caminho e entrar em um inferno. Um inferno no mundo humano.

Fiquei maravilhado com a relação dele com o filho, no episódio o filho ainda era um bebê.

Infelizmente não achei episódios próximos a esta revista que me ajudariam a ver a narrativa. Já me disseram que ela foi uma dos primeiros Mangás. A informação procede?

Parabéns por me lembrar desta revista com recorte tão delicado.

Pedro Brandt disse... @ 23 de abril de 2011 23:04

Olá,

Obrigado por comentar. Lobo solitário não é um dos primeiros mangás (a primeira edição saiu no Japão em 1970 e os mangás foram criados décadas antes), mas um dos primeiros a ser publicado com peridiocidade no Brasil (a primeira edição, pela Cedibra, que publicou apenas parte da série, saiu em 1988).

Acompanhar os capitúlos ajuda a entender a saga de Ito Ogami e seu filho Daogoro. Mas uma coisa muito legal de Lobo solitário é que muitas das histórias se valem por si só, ou seja, você pode ler tranquilamente sem se preocupar com o que aconteceu em capítulos anteriores. As edições lançadas pela editora Panini - que, a partir de 2005, reeditou o que já havia sido publicado no Brasil por outras editoras e ainda os volumes que permaneciam inéditos - têm uma página recapitulando alguns dos acontecimentos recentes da história, o que ajuda bastante na compreensão de Lobo solitário para quem não tem a coleção completa. Se você encontrar algo de Lobo solitário por aí, não tenha dúvida, leve para casa.

Luiz André disse... @ 22 de dezembro de 2012 22:16

Incrível apreciação de uma parte da obra-prima de Kojime e Koike sobre o pequeno amadurecimento de Daigoro. Quando comecei a ler este mangá, logo percebi que este se diferenciava dos outros por não ficar retratando cenas de ação e a motivação da vingança; havia algo mais profundo que atravessava a relação entre pai e filho e muitas vezes eclodia nos dramas dos personagens secundários. Não sei dizer em qual volume a trama acontece, mas não consigo me esquecer de uma história em que Itto Ogami é contratado para matar uma figura religiosa e, como não seria um serviço tão fácil, ele se embrenha em uma forma de meditação que o ajudaria a estar em par de igualdade com este religioso, transcendendo sua aura de divindade até estar pronto para realizar sua missão. Não sei se me expliquei bem, mas é que esta história teve um impacto muito forte em mim quando a li e creio que precisaria voltar às mesmas páginas para tentar abstrair mais um pouco de sua profundidade. No mais, foi um belo texto.

Flávio Soares disse... @ 30 de julho de 2013 17:31

Caros, estou lenda a trama LS e fiquei muito impressionado com a composição. O contraste entre a vingança do pai e a inocência do filhos, unidos na meifumadô... Daigoro realmente consegue extrapolar em muitos episódios, entretanto existe um episódio que achei shakeasperiano, Os Vigaristas... uma gangue que aplica pequenos golpes e por acaso do destino resolve se passar pelo matador Lobo Solitário, afim de pegar a grana e sumir, mas para manter o disfarce precisam de uma criança... Os asceclas saem a procura e voltam com Daigoro no colo... se gabam de que a criança resolveu vir com eles por que ofereceram uma pequena moeda... seria uma história boba, não fosse o fato de que a criança de três anos havia comprado a vida de todos do grupo, por uma pequena moeda... então aqueles que se vangloriam por enganar os outros estão com seu destino selado, sendo a morte de todos a única certeza... fantástico!

Sheila disse... @ 11 de março de 2017 22:22

Sou fã de LS desde a juventude e li os primeiros volumes que saíram aqui no Brasil. Foi o meu primeiro mangá.Parabéns pelo olhar crítico e reflexivo sobre a obra e espero que um dia, se publique a continuação da obra depois da morte de Ito Ogami e a vida de Daigoro depois da ruptura desse laço. Saudações.

Postar um comentário

 
Back to Top